29 de jun de 2009

Amazônia - Encontro das águas e comunidade de caboclos

Um dos passeios mais esperados por mim, era o do Encontro das Águas. Sempre tive curiosidade para ver como seria o tal encontro das águas do Rio Negro com o Rio Solimões formando o Amazonas. Realmente o espetáculo e impressionante. A água escura do Rio Negro e a água marrom clara do Solimões são vistas por quilômetros sem se misturarem.

Saímos de barco do hotel às 9 da manhã e depois de mais de uma hora chegamos ao encontro das águas.





No caminho conseguimos avistar alguns botos cinzas e até que consegui um foto razoável:


O passeio também inclui a visita a uma vila de caboclos ribeirinhos. Depois de mais uma meia hora, paramos na comunidade. Apesar de ser época da seca, dá para imaginar muito bem como a vila deve ficar na época da cheia. É impressionante.

Além de visitarmos a comunidade, aprendemos sobre a extração do látex e fabricação caseira da borracha e sobre a farinha de mandioca.

Amazônia - Índios

Um dos passeios incluídos no nosso pacote do hotel era a visita a uma tribo de índios. Acontece que estavamos na época da seca e as canoas não chegariam até a tribo. Assim, os índios viriam até nós, numa clareira/palco montada pelo hotel a 5 minutos de caminhada. É imperdoável, eu sei, mas não lembro o nome da tribo ...

Enfim, eles falaram em sua língua nativa, mostraram um pouco da cultura e dançaram. Algumas pessoas foram chamadas para interagir e, de caras pintadas com urucum, folhas na cintura, cocar na cabeça e flauta em mãos, participaram da dança.

Claro que os índios também trouxeram artesanato para a venda. Saí de lá com uma flauta, uma zarabatana (!!!!) e um colar com dentes de jacaré, tudo escolhido pelo filhão. A flauta ele toca de vez em quando e o colar ele usou bastante, mas a zarabatana ...

Com zarabatanas

Amostra do artesanato


A dança

A flauta que compramos é como essa que o índio carrega

26 de jun de 2009

Amazônia - Pesca de piranha e focagem de jacarés

Nesta postagem vou falar sobre dois dos passeios incluídos no pacote do Amazon Ecopark e feitos em canoas. Na pesca de piranhas, primeiro demos um passeio pelo rio observado a flora da região.



Depois paramos numa parte do rio perto do hotel e nosso guia "sacou" um pacotinho com carne crua para colocarmos nos anzóis. Too much para mim ... eu já recebia a varinha prontinha. Não demos muita sorte e pescamos poucas piranhas.

Logo começou a anoitecer e o espetáculo mais bonito começou.


Numa das noites, um pouco antes do jantar, saimos para a focagem de jacarés. Era um breu total e o guia tinha uma lanterna super possante. Navegamos por todos os cantos do rio nas imediações do hotel e nada de avistarmos um jacaré. Então, o Altêmio decidiu sair da "portaria" do hotel e ir bem mais longe. Quando já estavamos quase deistindo, Altêmio conseguiu ver um filhote de jacaré-açu e o pegou. Nós o levamos para o hotel para mostrar para os outros e depois ele foi devolvido ao rio.


Amazônia: a floresta dos macacos do Amazon Ecopark

Um dos passeios do Amazon Ecopark é uma visita à Floresta dos Macacos, onde macacos apreendidos pelo Ibama são reabilitados. Leia mais aqui. Apesar do pacote incluir uma visita, nós acabamos fazendo duas. A floresta fica bem pertinho do hotel, mas o acesso é por canoas.




As visitas são feitas no horário da alimentação dos animais. Eles são, em sua grande maioria, muito amistosos. Vimos apenas dois mais ariscos. Apesar de nosso guia instruir meu filho a não provocar o mais gravo, claro que o menino não levou os conselhos muito a sério e acabou tendo que correr para fugir de um deles.


que fofinhos!!!

Fêmea grávida

É sexta-feira: que vontade de ir à praia!!!!

Hoje é sexta-feira, dia de acordar feliz pensando no final de semana, fazer planos para curtir em família ou de fazer as malas e viajar, de preferência para uma linda praia. Colocar os pés na areia, tomar um banho de mar, caminhar, curtir o sol, tomar uma cervejinha ... que delícia!

Em homenagem ao final de semana que se aproxima, toda sexta-feira será dia de praia. Cada sexta uma foto de alguma praia linda!

Para começar, uma linda foto de uma das prais mais famosas do mundo: Copacabana.

21 de jun de 2009

Amazon Ecopark

O Amazon Ecopark é acessível apenas por barco. Um guia local foi nos buscar no aeroporto com uma van e nos levou até uma marina onde pegamos um barco. Navegamos pelo Rio Negro e em cerca de 25 minutos entramos no Rio Tarumã, onde está localizado o hotel.

O hotel tem uma espécie de "portaria" flutuante por onde passamos alguns minutos antes do desembarque. Viajamos em outubro, época da seca, então o desembarque aconteceu em terra e não numa plataforma boiando no rio.

A "portaria" flutuante
A chegada "a seco" no hotel - na época da cheia a água chega perto dos guarda-sóis de palha.

O pacote do hotel inclui todos os passeios, que serão descritos em postagens separadas, e pensão completa. A comida era bem gostosa, mas simples, sem sofisticação. Em todas as refeições eram servidos peixes da região e opções tradicionais de pratos, sempre em sistema de buffet. A sobremesa era farta e incluia frutas da região e/ou doces preparados com elas.

As acomodações também eram simples, mas adequadas. Os quartos eram dispostos em chalés espalhados pela área do hotel, sendo que cada halé agrupava 2 ou 3 quartos. Nosso quarto tinha duas camas de solteiro, um guarda-roupas, uma mesa e duas cadeiras, além de ar condicionado. Nada de TV e som ou mesmo de frigobar. O ar funcionava muito bem, apesar do hotel ser suprido por energia de gerador. O banheiro do nosso quarto era um pouco apertado e com chuveiro elétrico. O serviço de limpeza não deixou a desejar. Vejam e exterior do nosso quarto:



A infra-estrutura de lazer é limitada a um salão de jogos, bar e piscina natural. Na verdade, não há necessidade de uma grande infra de lazer, já que os passeios ocupam praticamente o seu dia todo. Na volta, sempre davamos uma passadinha na piscina para relaxar e, depois do banho, me reunia no bar com os outros 3 hóspedes adultos brasileiros (não, o hotel não estava vazio, mas 95% dos hóspedes eram estrangeiros) para um drink pré jantar, enquanto meu filho e seu novo amiguinho carioca jogavam bilhar.

A piscina natural era uma delícia, mas tenho que admitir que tive muito preconceito ao avistá-la pela primeira vez. Imaginei que seu fundo fosse nojento, mas era de areia branquinha e fininha. A urbana aqui adorou!


Como mencionei acima, eramos apenas 6 brasileiros hospedados no hotel. Os demais eram em sua maioria franceses, suíços, canadenses, alemães e americanos. Os hóspedes são divididos em grupo e a cada grupo é atribuído um guia para toda a estadia. Nosso grupo ficou com o Artêmio (foto abaixo), filho de índios da região e excelente guia. Foi muito bom termos um grupo pequeno, pois interagimos muito bem. Fora os estrangeiros e o brasileiros, o hotel tem alguns hóspedes permanentes diferentes; vejam só:



Nosso super guia Artêmio

Concluindo, o hotel está aprovado e super recomendo!

Amazônia com crianças

Ano passado meu filho trocou a festa de seu aniversário de 10 anos por uma viagem a Amazônia. Ele ama bichos e a natureza e achei que o destino era bem apropriado. O problema era a mamãe aqui: super urbana e alérgica a bichos de pelo ... Embarquei achando que estava fazendo um super sacrifício pelo filhão e não é que eu estava totalmente enganada!!! Eu AMEI!!!! Apesar com macacos, eu não tive nenhum crise alérgica. Não haviam mosquistos e insetos em excesso. Eu me diverti horrores nos passeios.



Nossa viagem aconteceu durante a tal "semana do saco cheio" em outubro. Usei minhas milhagens para nossas passagens e paguei apenas a parte terrestre, o que barateou bem os custos. O pacote terrestre inclui os translados, 3 noites no Amazon Eco Park e 2 noites no Hotel Tropical em Manuaus.



As 3 noites no Amazon Eco Park foram na medida exata. Mas eu gostaria de ter ficado uma noite a mais em Manaus. Lá eu descobri sobre uma cidade chamada Presidente Figueiredo, onde existem diversas cachoeiras fantásticas. As agências locais oferecem passeios de um dia passando por diversas cachoeiras. Pena não termos tido tempo para ir até lá.

Nas próximas postagens, os detalhes e as fotos dessa viagem fantástica.

19 de jun de 2009

Cool Signs

Eu descobri um site muito legal: My Cool Signs. Você escreve o texto e ele o transforma utilizando letras de fotos postadas no Flickr ou em letras como do jogo Scrabble. Olhá só:

Com Flickr

paixao-por-viagens Made with My Cool Signs.Net

E com Scrabble

Made with My Cool Signs.Net

18 de jun de 2009

Paraty - Portas e Janelas

Eu me apaixonei pelas portas e janelas das casas do Centro Histórico de Paraty. Tão coloridas e com adereços fofos ...









Restaurantes em Paraty

Banana da Terra

O restaurante fica no Centro Histórico e tem a banana da terra como ingrediente em vários de seus pratos. A decoração é bonita e como ele faz parte da Associação dos Pratos da Boa Lembrança, pratos de outros restaurantes da Associação estão espalhados pelo salão. A comida é muuuito boa e vale o preço salgado. Vejam o capricho dos pratos nas fotos abaixo.





Eh-Lahô - Ilha do Catimbau

No nosso primeiro dia de saída de barco, o nosso barqueiro Eli nos levou para almoçar na Ilha do Catimbau, onde fica o restaurante Eh-Lahô. A ilha, pequena, abriga o restaurante e a casa da dona. Você chega de barco e um barquinho vai te pegar a bordo e te leva para a Ilha. A comida é cara, mas vale a pena. Os pratos de grelhados são muito bem servidos e deliciosos. Meu filho queria de todo jeito entrar no mar enquanto esperava a comida ficar pronta. Apesar dos graçons dizerem ser possível nadar alí, não recomendo. Meu filho se ralou todo nas pedras e na escadinha para voltar a ilha.





Bar do Vivinho

No nosso segundo dia de barco, o Eli nos levou ao Bar do Vivinho, que fica na enseada do Saco da Velha. Ambiente é bem simples, o nome está pintado na pedra, mas comida muito boa. O preço era um pouco mais baixo que o do Eh-Lahô, mas não chegava a ser barato. Uma vantagem é que nesse restaurante as crianças puderam nadar e brincar na praia.


Chegando no restaurante